Blog

A CONTRIBUIÇÃO SOCIOCULTURAL E AMBIENTAL DO BIOPARQUE

Categoria Biodiversidade Meio ambiente

1105 visualizações

A CONTRIBUIÇÃO SOCIOCULTURAL E AMBIENTAL DO BIOPARQUE

“O conhecimento exige uma presença curiosa do sujeito em face do mundo. Requer uma ação transformadora sobre a realidade. Demanda uma busca constante. Implica em invenção e em reinvenção”.

(Paulo Freire)

Paulo Freire foi um grande educador e filósofo brasileiro, ainda hoje, um dos pensadores mais citado do mundo em universidades da área de humanas. Suas proposições provocam a reflexão que nos educam, nos tornam sujeitos pensantes, atuantes, reflexivos e refinados em nossa humanidade. E a educação que propõe Paulo Freire, vai muito além das escolas, ultrapassa seus limites e se propaga para a vida. Como sujeitos educados, na concepção de Freire, podemos atuar, a contento, nos diferentes espaços sociais por onde transitamos. Afinal a educação é um processo contínuo que nos conduz à civilidade, ao altruísmo, à expansão de nossa mente e de nossa alma.

A citação de Freire, que inicia essa reflexão, fala de transformação e de reinvenção diante dos fatos que o mundo nos apresenta. Os cenários mudam o tempo todo e, frente à dinâmica dessas mudanças, a nossa capacidade de reinventar pode abrir novas perspectivas a caminho de escolhas que favoreçam a vida no nível individual e coletivo.

Nesse início do século XXI, devastados pela pandemia, estamos vivendo um cenário que exige de nós, mais do que nunca, a capacidade de repensar, ponderar, reavaliar nossa conduta diante de nós mesmos, diante do outro, da vida e da natureza. Portanto, se faz imprescindível reinventar e buscar ações transformadoras que contribuam para, se não reverter, que seja para tornar mais pacífica e menos predatória nossa jornada pelo planeta.

Os sérios problemas ambientais, desmatamentos, mudanças climáticas, secas, enchentes são alguns exemplos dos fenômenos que se intensificaram nas últimas décadas e que, não por acaso, se exibem nos últimos anos de forma drástica em coexistência com a pandemia. Nossa forma de viver tem custo ambiental. Custo esse, bastante elevado. Nossa “pegada ecológica” tem gerado consequências muito graves.

Acredito que todos nós, enquanto sujeitos físicos ou representantes de instituições, precisamos daqui em diante fazer com que essas questões guiem sempre nossas condutas.

Nesse cenário conturbado de pandemia e desastres ambientais, o BioParque se orgulha de poder contribuir de forma significativa, trazendo alento às famílias que se viram vitimadas pela pandemia e, ao mesmo tempo, realizando ações de recuperação ambiental.

É sabido que as cerimônias de despedida têm sido proibidas ou bastante abreviadas. Esse fato tem aumentado ainda mais a dor dos familiares que sofreram perdas e são privados dessas cerimônias. Como a opção pelo processo de cremações tem crescido bastante, o BioParque, com sua proposta de destinação de cinzas, tem possibilitado às famílias a realização de uma homenagem para se despedirem de seus entes queridos de uma forma mais humana, afetiva, ética e ecológica. Nessas cerimônias, as cinzas são depositadas em uma urna especial na qual é plantada a semente de uma espécie arbórea e que, dessa forma, se integrarão ao ciclo de vida da árvore símbolo da homenagem.

O Parque Ecológico e Memorial e Museu do BioParque Nova Lima, com sua atividade fim de plantio de árvores, se revela como uma prática social e de significativo valor ecológico. Isso, porque à medida em que promove o plantio de árvores nativas favorece a flora e fauna e, ainda, ao promover a cremação, contribui para a conservação dos solos e das águas que são frequentemente impactados nos processos de sepultamento.

Além de tudo isso, o funcionamento do Parque Memorial BioParque Nova Lima é mantido por processos sustentáveis e, ao longo de toda a sua atuação, estará realizando a recuperação de áreas antropizadas, promovendo o seu reflorestamento. Assim, o BioParque tem contribuído de forma efetiva para a transformação do ambiente com a recuperação do ecossistema local.


Mudas de espécies nativas cedidas pelo parceiro IEF (instituto Estadual de Florestas) já plantadas com o objetivo de recuperação do ecossistema.

Em consonância à fala de Paulo Freire, o BioParque traz uma ação inovadora à nossa atualidade, apresentando um conceito pioneiro que agrega tanto no âmbito sociocultural bem como no âmbito Ambiental.

Compartilhe este conteúdo!
Leia também